LAZER

  • As praias sossegadas de Jaguaruna se distribuem entre 10 balneários. Têm boas estradas de acesso, hotéis, pousadas, restaurantes e supermercados. O Camacho é o mais movimentado, com bares de música ao vivo que agitam as noites de verão.

  • Entre dunas, praias e lagoas da faixa costeira de 37,5 km de Jaguaruna, encontram-se testemunhos de como viviam os primeiros habitantes da costa. São 30 sambaquis, com 55 sítios arqueológicos cadastrados pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Os indígenas que habitaram a costa brasileira entre 8 mil e 2 mil anos atrás processavam alimentos ou sepultavam seus mortos nesses amontoados de conchas também conhecidos como casqueiros ou concheiros. Considerado um dos maiores do mundo, o sambaqui da Lagoa Garopaba do Sul, junto da estrada do Camacho, estende-se por uma área de 10 hectares.

  • Com mais de 15 km de dunas, Jaguaruna é o paraíso dos praticantes do surfe na areia, o sandboard. No Balneário Arroio Corrente, há dunas de até 60 m de altura. No Balneário Camacho, dunas de até 15 m de altura chegam à beira do mar. Também chamados de Laje da Jágua, são formações rochosas que emergem em alto-mar, a 5 km da costa, e se estendem até Torres (RS). As condições do vento e da maré formam ondas de até 9 m de altura nos parcéis de Jaguaruna, onde surfistas profissionais se arriscam na modalidade esportiva conhecida como tow-in (surfe rebocado ou motorizado). Os naufrágios nos parcéis motivaram a construção do Farol de Santa Marta, em 1891.